Apple Music X Spotify X Google Music


O serviços de streaming são a nova febre do momento e qualquer pessoa que ama música já deve ter pelo menos ouvido falar neles. A diferença nesses serviços é que você pode escutar e baixar milhões de músicas – as empresas informam um catálogo de mais de 30 milhões de músicas no acervo – de forma legal, sem dor de cabeça, em alta qualidade, encontrar playlists, os hits do momento e muito mais. Confira abaixo um comparativo com os prós e os contras de cada um.

Spotify

O mais famoso e mais usado serviço de streaming no mundo atualmente. Lançado inicialmente em 2008, agora já suportam vídeos e podcasts. Spotify também pode ler músicas armazenadas localmente mas você precisa sincronizar seus dispositivo para isso através do aplicativo do Spotify seja no PC ou no Smartphone.

O preço individual é o mesmo dos concorrentes, R$ 14,90 na assinatura mensal, já a assinatura familiar é cobrada por cada usuário extra, podendo chegar a mais de R$ 40 mensais.

O melhor do mesmo Spotify é o sistema de busca de músicas que funciona muito bem, assim como as indicações para novas músicas, playlists que devem agradar e alguns recursos para achar músicas mais tocadas do momento que – segundo os usuários – é o grande diferencial em comparação com o Apple e Google Música, sendo esse um dos motivos para ganhar a preferência dos usuários.

 

Google Play Music

Conhecido também apenas como Google Music o serviço é mais recente mas oferece basicamente os mesmos recursos dos concorrentes. O serviço é mais indicado para quem já usa os serviços do Google pois o ecossistema age como um todo, principalmente nos smartphones, onde fica mais fácil gerenciar as contas, músicas e até mesmo o player de mídia aparece de forma melhor no Android.

O preço é o padrão para assinaturas individuais – R$ 14,90 – e R$ 22,90 no plano familiar para até 6 pessoas. Dessa forma ele sai mais em conta que o Spotify. O Google já oferece rádios, playlists e está atualmente implementando o serviço de podcasts aos poucos.

O diferencial do Google Music é que assinantes do serviço ganham um pequeno desconto nas compras da Play Store (como mencionamos anteriormente, um dos diferenciais para quem usa a plataforma Android). Nos EUA quem assina o Google Music também tem acesso liberado ao YouTube Red, serviço pago do YouTube com conteúdo exclusivo e recursos a mais. Se esse casamento de recursos chegar ao Brasil pode ser também uma ótima opção adquirir esses 2 pelo preço de 1.

 

Apple Music

Apesar de a internet dizer que tudo que é da Apple é mágico, pelo menos neste quesito o Apple Music é bem similar aos seus concorrentes. O sistema de indicação de músicas e playlists funciona muito bem. As rádios encontradas neste serviço de streaming são de qualidade também.

O diferencial mesmo é que assim como o Google Play Music, o Apple Music acaba sendo uma ótima solução para os usuários atuais do sistema da maçã por causa da facilidade de se ajustar e de manusear para quem já utiliza iPhones, iPads, iMacs e MacBooks pois o serviço é desenhado com foco neles.

O preço do serviço é idêntico ao Google Music (R$ 14,90 e R$ 22,90 nos planos individuais e familiares, respectivamente).

 

Resumo

Todos os serviços citados acima dão um tempo para você experimentar o serviço sem pagar. Nós aconselhamos fazer isso pois a diferença está no tipo de sistema que você usa, ou na interface que lhe agrada mais, já que no fim todos tem basicamente as mesmas músicas (com algumas exceções, claro).

A diferença em recursos é mínima e diminui cada vez que alguém atualiza seu aplicativo. Por exemplo, podcasts não eram suportadas no Google Music mas como faz sucesso nas outras plataformas, logo o Google está incluindo essa função. A interface varia muito de pessoa para pessoa e o preço, pelo menos para plano familiar, o Spotify é o menos convidativo.

O serviço da Apple requer que pelo menos o gerenciador tenha um dispositivo Apple para poder gerenciar os membros da família.

Todos tem prós e contras, então, o melhor a fazer é testar o que mais se encaixa para o que você precisa e adquirir um plano, afinal, pelo menos pelo que parece atualmente, os serviços de streaming vieram para ficar.